CLICK HERE FOR BLOGGER TEMPLATES AND MYSPACE LAYOUTS »

Ano da Fé

Ano da Fé
Clique na imagem para aceder ao site oficial

domingo, 5 de abril de 2009

A PAIXÃO DE CRISTO

Penso que nenhum cristão terá ficado indiferente a este filme quando passou nos cinemas. Afinal de contas, na altura, gerou muita polémica (na minha óptica completamente injustificada) e curiosidade, pela sua violência gráfica e pela originalidade de retratar a Paixão de Cristo na sua língua original (i.e. aramaico e latim).

Portanto, creio que esta minha sugestão deve ser uma espécie de redundância. De qualquer das formas, esta Semana Santa que se vai iniciar é uma boa altura para revisitar esta obra de arte.


Além da sua originalidade e da sua ortodoxia (que é uma característica que nunca se deve descurar quando se fazem filmes deste género), este é também um filme de grande sensibilidade. Intercalados com a violência intrínseca do filme, encontramos oásis de profunda comoção e humanidade (sobretudo na cena em que Jesus encontra a Sua Mãe... de levar lágrimas aos olhos). Também a cena da Ressurreição é um mimo artístico, a melhor que alguma vez já vi.


Além disso, não é só a Paixão que é retratada... toda a vida de Jesus é apresentada no filme, através de curtos flash-backs que vão colocando cada pormenor no seu devido lugar, à luz da Paixão. Esse facto (bem como certos pormenores, tais como Cristo esmagando a cabeça da Serpente ou a Virgem Maria e Maria Madalena a entoarem o cântico da Páscoa do Antigo Testamento) fazem com que o filme não se perca na superficialidade do sofrimento de Cristo, mas que seja um exercício de teologia muito bem conseguido.


Resta mencionar que o actor que faz de Jesus Cristo é Jim Caviezel, um actor católico ortodoxíssimo. Também o realizador Mel Gibson é um fervoroso católico, embora haja quem o considere um ultratradicionalista. De qualquer das formas, são duas pérolas em Hollywood que deveríamos estimar.


Para quem consiga suportar a violência da Paixão de Cristo, este é um filme que nenhum católico deveria deixar de ver.

4 comentários:

jota disse...

Nas últimas Quaresmas tenho usado este filme como ponto de partida para a Semana Santa. Mas da última vez a violência incomodou-me, mais do que das outras. Por isso este ano usei um filme completamente diferente "O Grande Silêncio".

Realmente gostei deste filme. Também o encontro de Jesus com a Sua mãe me emocionou. Fiquei com pena que a Ressurreição tivesse uma parte tão pequenina no filme, comparada com o resto.

Não sabia que o Jim Caviezel era um católico tão empenhado. Vou ficar mais atento ao trabalho dele.

Cumprimentos

jota

Margarida disse...

olá Pedro!Neste filme existe um homem penso que é Simão ou Samuel que leva a cruz a Jesus durante uma parte do caminho....istoa aconteceu mesmo?tem algum significado para nós homens?**

Alma peregrina disse...

Caro J: Penso que o valor da cena da Ressurreição prende-se com o facto de ser tão pequena e, ainda assim, dizer tudo.

Pelo menos não é como outras interpretações, como a do Jesus Christ Superstar, em que nem sequer há Ressurreição...

Quanto a Jim Caviezel, é um facto que ele é um dos poucos actores de Hollywood que milita pelos valores cristãos. Tenho gostado muito dos filmes em que ele participa.




Cara Margarida:
Jesus terá sido ajudado por um Simão, da terra de Cirene, que estava voltando do trabalho nos campos.

Não há motivo para pensar que isto seja falso. Mas não é muito importante enquanto facto histórico.

É mais importante como uma luz para os nossos caminhos. Ou seja, sempre que nós ajudamos os outros a carregar a Cruz deles, estamos a ajudar Cristo a carregar a Cruz do Mundo. E, deste modo, estamos a ajudar à nossa própria salvação (porque a Paixão de Cristo salvou todos os homens, incluindo o próprio Simão Cireneu).

Abraços em Cristo

Canela disse...

Bom....

Sou uma "fracota" incondicional!
Não consigo vêr o filme. Tudo o que tenha violência, para mim é demais... principalmente sabendo que aconteceu... e que os meus pecados também lá estão a chicoteá-lO...


Santa Páscoa